sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

CONHECENDO UM POUCO SOBRE MIASTENIA GRAVIS

As palavras "Myasthenia gravis" têm origem grega e latina, "mys" = músculo, "astenia" = fraqueza e "gravis" = pesado, severo. Daí o nome, que significa fraqueza muscular grave.

É uma doença crônica causada por uma súbita interrupção da comunicação natural entre nervos e músculos. O principal sintoma é fraqueza muscular e fadiga extrema, exagerada, muito superior ao cansaço que qualquer pessoa saudável pode sentir depois de dias de muita agitação e trabalho. Esse cansaço tende a aumentar com o esforço repetitivo e a diminuir com o repouso. Em geral, ela se sente melhor pela manhã porque a acetilcolina decomposta no sangue é refeita e volta para o nervo.

Para entender o que acontece nessa doença, é bom explicar o funcionamento do sistema motor. A execução do movimento voluntário depende de que um estímulo elétrico parta de determinada região do cérebro, caminhe por vias específicas e chegue à medula situada na coluna vertebral, de onde sai um nervo que alcança o músculo esquelético. Como nervo e músculo não estão em contato direto (entre eles, há um espaço, uma fenda sináptica), o nervo libera um neurotransmissor chamado acetilcolina, uma espécie de combustível para o músculo, que nele encontra dois sítios receptores para fixar-se. A fixação abre um canal para que o estímulo elétrico passe para o músculo e atinja os filamentos responsáveis por sua contração. Esse processo tem de ser realizado de forma harmônica, organizada e muito rápida. Caso contrário, surge a fraqueza muscular.

O que caracteriza a miastenia é a fadigabilidade anormal. De repente, as forças se esgotam, a fraqueza toma conta dos músculos dos braços e das pernas, a pálpebra começa a cair (ptose palpebral) e a visão fica dupla, porque o movimento de um dos olhos é mais lento. Outros sintomas são voz anasalada, dificuldade para mover a cabeça, pegar, andar, falar, falta de ar, mastigar e engolir até mesmo a própria saliva.

Atualmente, o tratamento para controlar os sintomas e a evolução dessa doença crônica pode assegurar aos pacientes uma vida praticamente normal.

Fonte:

Um comentário:

  1. Oi Bruna, que lindo projeto seu! Quem me dera que quando sofri minha primeira crise tivesse um blog assim pra encontrar apoio, sua irmã tem muita sorte! pede a ela pra me aderir no orkut se quiser. meu perfil tá na comu MG.
    Parabéns e a maior lição de vida de uma miastênica com 11 anos de casa, sua irmã terá que reaprender a viver, e certamente ela conseguirá! eu consegui - BOA SORTE!!!!!!

    ResponderExcluir